SAÚDE

Fake News em Saúde

Dia 1 de Abril. Hoje é dia das Mentiras. Já nem se lembrava, pois não?

A MyNurse decidiu dar-lhe umas dicas para que se possa defender das notícias falsas sobre a saúde (e a doença!) que existem por aí nas redes sociais.

Em primeiro lugar, é importante saber que, se recebeu um diagnóstico difícil de ouvir e que traz repercussões drásticas ao seu dia-a-dia, não deve ir pesquisar por livre iniciativa à Internet. Não o faça. Proteja-se e fale com um profissional de saúde em quem confie.

Faça uma lista de perguntas para que, quando estiver na presença do médico ou do enfermeiro que o acompanha, possa esclarecer todas as suas dúvidas, sem que se esqueça daquela pergunta mesmo importante que precisa de ver respondida para poder controlar e diminuir a ansiedade que sente.

Se receber uma má notícia não for o seu caso, então leia com atenção esta pequena lista de estratégias para avaliar a veracidade das notícias que vai lendo nas redes sociais ou nos e-mails.

  1. Não julgue a notícia pelo título: o sensacionalismo é uma estratégia muito utilizada pelos meios de comunicação social e muitas vezes os títulos que escolhem são mais apelativos para que você clique no link, mas não dizem respeito à realidade.
  2. Não partilhe a notícia sem a ler primeiro na íntegra e sem fazer o seu juízo crítico no final.
  3. Verifique a fonte da notícia: com a facilidade com que cada blog ou página na internet partilham as informações e notícias, antes de ler, confirme onde é que a pessoa que fez o share leu ou consultou a notícia que colocou.
  4. Verifique a data da notícia: pode estar a ler uma notícia que não é a mais recente, estando a informar-se mal acerca de determinado assunto.
  5. Consulte apenas meios de comunicação oficiais: faça essa selecção a priori e não considere páginas que não sejam canais oficiais e nacional e internacionalmente reconhecidos.
  6. Desconfie de grandes escândalos e de grandes milagres: não se deixe enganar por curas milagrosas para problemas de saúde graves e não leve a sério notícias desastrosas relacionadas com medicamentos ou tratamentos específicos. Lembre-se que as entidades de saúde são reguladas por normas rígidas onde trabalham profissionais idóneos a quem é conferido a responsabilidade de verificar a segurança e veracidade dos produtos, tratamentos e processos.

Se não tiver acesso a um profissional de saúde que o ajude a esclarecer as suas dúvidas, não se esqueça que na MyNurse pode escolher um enfermeiro, psicólogo, fisioterapeuta entre outros, para ir até sua casa e dar o apoio e esclarecimento necessário. Saiba mais em www.mynurse.pt

O Processo de Luto II

Regressamos ao Blog da MyNurse com o tema do Luto e as fases descritas por Bowlby.

Num primeiro post abordámos a importância de se perceber que o Luto não é um caminho linear. É um processo com muitas fases e nem sempre se vive cada fase de forma isolada.

A segunda fase do Processo de Luto é a fase de saudade e procura. É neste período que se despertam explosões de soluços chorosos e de angústia aguda na maioria das pessoas. Um pessoa também pode sentir, de forma mais ou menos aberta, saudade intensa pelo objecto ou pessoa perdida. Esta fase pode durar meses ou anos.

Durante a fase que se segue, de desorganização e desespero, a pessoa envolve-se numa análise interminável sobre a forma e razão da perda ter acontecido. É muito natural e vulgar a pessoa exprimir raiva contra alguém que possa ser responsável pelo ocorrido. Este sentimento dá muitas vezes lugar à aceitação de que a perda é permanente.

Na etapa final de reorganização, que pode ser superior a um ano de duração, a pessoa começa a aceitar novos papéis a que não estava habituada e a adquirir nova competências e a formar novas relações.

Não precisa de passar por um Processo de Luto sozinho. Na MyNurse pode escolher um psicólogo que o pode acompanhar e ajudar a reorganizar a sua vida após uma perda. As consultas podem ser em sua casa ou num sítio em que se sinta seguro e bem. Não tem mal nenhum pedir ajuda. Lembre-se: todos passamos por isto.

Saiba mais em www.mynurse.pt

Inatividade – as suas consequências numa pessoa acamada

 

Quando uma pessoa se encontra acamada, há muitas consequências diretas dessa alteração da mobilidade.

A inatividade provoca um aumento do tempo de contacto direto da pessoa com as superfícies de apoio (cama, almofada, cadeiras, entre outras), provocando um aumento da pressão direta não aliviada sobre os tecidos moles, forças de fricção e deslizamento, o que pode condicionar o aparecimento de úlceras de pressão.

Considera-se que a pessoa em situação de imobilidade deve ser posicionada de duas em duas horas (Timmerman, 2007). No entanto, a frequência dos posicionamentos é determinada pela mobilidade da pessoa, pela condição clínica global, pelos objetivos do tratamento e ainda pelas condições globais da pele (APTF, 2009).

Caso a condição da pessoa acamada lhe permita, é importantíssimo reforçar a necessidade levante para o cadeirão ou cadeira de rodas, pelo menos uma vez por dia. Nesta posição pode estar durante duas horas ou então até se sentir confortável, podendo sempre regressar à cama mantendo a alternância dos posicionamentos.

Deixamos aqui algumas fotografias que podem ajudá-lo a posicionar o seu familiar, no entanto, a ajuda e ensino de um profissional qualificado é sempre uma mais valia pois o cuidado é mais individualizado.

 

 

 

 

 

Na MyNurse pode contar com uma equipa de enfermeiros para ensinarem os cuidadores informais e também auxiliares de acção médica que colaboram consigo neste processo de aprendizagem para si e de prevenção de complicações ao seu familiar acamado. Saiba mais em www.mynurse.pt

Tem uma úlcera por pressão? Chame um enfermeiro!

Uma úlcera por pressão é uma ferida resultante de um dano causado à pele que acontece  quando há uma diminuição da circulação sanguínea provocada pela pressão aplicada numa área específica.

Inicialmente, é possível observar uma ligeira vermelhidão na área afectada (o primeiro sinal de danos nos tecidos). O tecido subjacente morre devido à deficiência de irrigação sanguínea. Podem ser afectadas várias camadas de pele, músculos e ossos.

As proeminências ósseas, como a região sagrada, os calcanhares, os cotovelos e as omoplatas, entre outras, são áreas consideradas de elevado risco.

O tratamento de úlceras por pressão é uma competência específica dos enfermeiros. Na MyNurse pode encontrar profissionais com conhecimentos actualizados que, no conforto de sua casa, realizam o penso adequado à sua ferida.

Não deixe o tempo passar, se conhece alguém que precisa deste tipo de cuidados, não hesite em contactar profissionais adequados. Saiba mais em www.mynurse.pt

Vigie a sua Gravidez | Diabetes

Diabetes Gestacional (DG) define-se como um subtipo de intolerância aos hidratos de carbono diagnosticado ou detectada pela primeira vez no decurso da gravidez.

O diagnóstico da diabetes durante a gravidez tem um impacto significativo em vários aspectos da saúde materno-infantil e na saúde futura da mulher:

  1. Redução da morbilidade materna e da morbi-mortalidade perinatal (controlo da glicemia durante a gravidez diminui as complicações maternas e a mortalidade e morbilidade perinatais)
  2. Identificação de mulheres com risco acrescido de diabetes
  3. Programação fetal intra-uterina (Alguns estudos observacionais têm evidenciado uma forte relação entre obesidade e hiperglicemia durante a gravidez e a possibilidade dos filhos virem a desenvolver obesidade e diabetes tipo 2 em fases tardias da vida. Não está provado que o tratamento da hiperglicemia materna reduza o aparecimento de alterações da tolerância à glicose nos descendentes. No entanto, trata-se de uma área de grande empenhamento científico sendo os conhecimentos actuais suficientes para o desenvolvimento de programas de vigilância e prevenção nesta população.)

É importantíssimo fazer uma vigilância da tolerância do seu organismo à glicose durante o período de gestação. Muitas são as mulheres que sentem náuseas e grande desconforto durante a realização desta prova.

Na MyNurse pode realizar o teste de tolerância à glicose na gravidez no conforto de sua casa. Não hesite em agendar online a sua PTOG em www.mynurse.pt 

Fontes: Revista Portuguesa de Diabetes (2017); DGS, Norma 007/2011

ALZHEIMER: O QUE É

 

Alzheimer é um tipo de demência que provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas, nomeadamente a memória, a atenção, a concentração, a linguagem e o pensamento. Esta deterioração tem como consequências alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas actividades de vida diária. Quando a pessoa perde uma capacidade, raramente consegue voltar a recuperá-la ou reaprendê-la.

 

SINTOMAS DO ALZHEIMER

Os sintomas podem ser muito subtis. Começam frequentemente por lapsos de memória e dificuldade em encontrar as palavras certas para objectos do quotidiano. Estes sintomas agravam-se à medida que as células cerebrais vão morrendo e a comunicação entre estas fica alterada. Alguns sintomas característicos são:

  • dificuldades de memória persistentes e frequentes, especialmente de acontecimentos recentes
  • discurso vago durante as conversações
  • perder entusiasmo na realização de actividades, anteriormente apreciadas
  • demorar mais tempo na realização de actividades de rotina
  • esquecer-se de pessoas ou lugares conhecidos
  • incapacidade para compreender questões e instruções
  • deterioração de competências sociais e imprevisibilidade emocional

 

TRATAMENTO

Até à presente data não existe cura para a Doença de Alzheimer. No entanto, existem algumas medicações que parecem permitir alguma estabilização do funcionamento cognitivo nas pessoas com esta doença, nas fases ligeira e moderada. Também pode ser prescrita medicação para sintomas secundários, como a inquietude e a depressão, ou para ajudar a dormir melhor.

Para além do tratamento farmacológico, há a intervenção não farmacológica cujo objectivo principal é a estimulação das capacidades cognitivas, com vista à sua maximização e ao bem-estar da pessoa, nomeadamente no que respeita à sua adaptação à doença.

 

NECESSIDADES ESPECIFICAS

Cuidar de alguém com Alzheimer pode ser muito difícil e desgastante, sobretudo por causa da dependência que esta doença acarreta, pelo que se torna necessário recorrer a cuidadores qualificados, que no mínimo assegurem as essenciais pausas regulares na prestação dos cuidados por parte das famílias.

Para acompanhamento de doentes com Alzheimer e ou outras doenças demenciais, administração de medicação, cuidados de higiene e conforto, fisioterapia, terapia ocupacional, ou outro tipo de apoio domiciliário relacionado com este tipo de doenças, consulte a MyNurse.

 

Medicina Chinesa: O que é e para que serve

Por David Ribeiro                                                                                                                                Médico de Medicina Tradicional Chinesa

A Medicina Chinesa, com cerca de 5 mil anos de existência, é uma das mais antigas formas de medicina praticada no mundo, tendo 2 mil anos de literatura escrita.

É uma medicina energética baseada no princípio de que o Qi (Energia) circula no organismo através de canais específicos. Estes canais são os meridianos, que percorrem o corpo, possuindo pontos (acupontos), que ao serem punturados equilibram a circulação energética de todo o organismo. A doença é vista pela Medicina Chinesa como um desequilíbrio energético.

Na consulta, segundo uma abordagem holística e através dos 4 métodos de diagnóstico: observação da língua, auscultação, palpação do pulso e história Clínica (Anamnese), estabelece-se o diagnóstico energético personalizado do paciente, podendo posteriormente, prescrever-se o tratamento mais adequado.

As técnicas mais importantes de tratamento na medicina chinesa são: a Acupuntura, a Fitoterapia Chinesa, a Dietética Chinesa, a Moxabustão, o Tuiná, a Auriculoterapia, a Ventosoterapia, a Electroestimulação, e exercícios como o Qi-Gong e o Tai-Chi.

A mais divulgada, no Ocidente, é a Acupuntura que consiste na aplicação de finas agulhas, descartáveis, em pontos específicos do corpo para se obter diferentes efeitos terapêuticos de acordo com cada caso clínico. Nesta técnica está incluída a auriculoterapia (aplicação de agulhas no pavilhão auricular).

A Fitoterapia Chinesa, menos conhecida, mas tão ou mais importante que a Acupuntura, consiste na conjugação de plantas medicinais chinesas em fórmulas que podem ser apresentadas sob a forma de gotas, comprimidos ou cápsulas, bem como chás ou cremes. São na maioria dos casos associadas ao tratamento de acupuntura, potenciando os seus resultados.

A Moxabustão consiste na aplicação de calor, por intermédio de um charuto ou cone de artemísia em pontos anatómicos específicos.

O Tuiná emprega técnicas de massagem para estimular ou dispersar os pontos dos meridianos do paciente, visando o equilíbrio do fluxo de energia por estes canais.

A Ventosoterapia técnica milenar adotada em diversas correntes da medicina tradicional que emprega ventosas.

A Eletroacupuntura (EA) é uma forma de acupuntura, em que pares de agulhas de acupuntura são ligados a um dispositivo que gera uma corrente elétrica entre elas. A EA é utilizada para potenciar efeitos terapêuticos ou analgésicos.

Atualmente, a medicina chinesa está em franca expansão por todo o mundo, sendo reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em diversas patologias, entre as quais: ciática, reumatismo, tenossinovite, nevralgia do trigémeo, lombalgias, dores articulares, torcicolo, má posição fetal, insónias, alcoolismo, obstipação, bronquite, asma, pneumonia, sinusite, rinite, tosse, gripe, cefaleias, enxaquecas, hemorroidas, úlcera péptica, disfunção biliar, pielonefrite, diabetes mellitus, hipertensão arterial, celulite, obesidade, acne, dermatite, incontinência uretral e fecal, síndrome de ménière, depressão, neuroses psíquicas, tonturas e vertigens, tinnitus (zumbidos), otites, problemas menstruais, impotência sexual, menopausa, prostatite, doença de crohn, angina de peito, entre outras.

mynurse_acupuntura_6 mynurse_acupuntura_5 mynurse_acupuntura_1mynurse_acupuntura_3

Aprender a sentir-me bem: Alongar

Os alongamentos musculares promovem o bem-estar físico e mental em todas as idades.

Aliviar as tensões do dia-a-dia, ajudar a eliminar as toxinas que o corpo produz, reduzir o stress físico e a possibilidade de contrair lesões, bem como ativar a circulação sanguínea são alguns exemplos do que os alongamentos podem fazer por si.

Em teoria, o alongamento é uma técnica utilizada para manter ou aumentar a flexibilidade dos músculos e dos movimentos, mas a sua prática traz muitos mais benefícios! Quer tenha uma vida mais sedentária ou pratique uma atividade física intensa regular só tem a ganhar com esta medida. Na realidade, quer um grupo quer o outro acaba por perder a sua flexibilidade, graças ao encurtamento das fibras musculares (provocado quer pela ausência de exercício, quer por exercícios muito intensos), levando a uma maior probabilidade de desenvolvimento de problemas nos ossos e músculos.

Numa altura em que o sedentarismo está entre as principais causas de morte em todo o mundo, vários estudos vêm demonstrar que a prática regular de exercícios de alongamento ajuda na prevenção de doenças.

Por todas estas razões, a MyNurse aconselha-o a dispensar 10 minutos do seu dia para alongar.

mynurse_alongamentos_3De acordo com Bob Anderson, o especialista em alongamentos mais conhecido em todo o mundo, o alongamento é uma forma simples e indolor de nos prepararmos para o movimento. Movimento esse que pode ser uma simples tarefa do quotidiano como atar os sapatos, por exemplo.

O importante é que alongue antes e depois de uma atividade física, mas também em diversos momentos do seu dia. Pela manhã ao acordar, no trabalho para aliviar tensões, após estar sentado ou de pé durante um período prolongado, ou quando se sentir tenso, por exemplo.

 

 

Como devo alongar?

Os alongamentos devem começar com suavidade, não devendo ir para lá do ponto onde começar a sentir uma pequena tensão. É importante que relaxe e que se sirva da sua própria respiração para realizar todos os movimentos. A respiração deve ser lenta, ritmada e controlada. “Não prenda a respiração enquanto estiver alongado”, refere Bob Anderson.

Após sentir que a tensão diminuiu, aumente o alongamento delicadamente até obter uma sensação mais intensa. Mantenha a postura e repita.

Repita estes exercícios todos os dias e veja a sua condição física e mental melhorar.

mynurse_alongamentos_2

Experimente alongar com frequência e partilhe connosco a sua experiência!