Artigos de Fisioterapia

O Sistema Respiratório como mecanismo de defesa do corpo

O Sistema Respiratório tem um papel muitíssimo relevante na protecção do nosso corpo contra os agentes patogénicos. E é uma protecção com um sistema tão complexo que de certeza nunca imaginou que pudesse ser assim.

 

Nesta imagem consegue-se perceber que os cílios são prolongamentos das células que ajudam a “arrastar” os agentes patogénicos para o muco que será posteriormente eliminado através da tosse ou apenas da deglutição.

Nesta altura do ano, é muito comum apresentar tosse e expectoração e, umas das soluções mais eficazes que hoje em dia se conhece é a Cinesiterapia Respiratória (“ginástica respiratória”).

Na MyNurse encontra fisioterapeutas com muita experiência em Cinesiterapia em quem pode confiar a sua tosse.

Saiba mais em www.mynurse.pt

 

Doença Reumática

O QUE SÃO DOENÇAS REUMÁTICAS?

São doenças que afectam o aparelho locomotor ou sistema músculo-esquelético nos seus vários componentes, ossos, músculos, articulações, partes moles envolventes, nervos e vasos, cujas causas podem ser degenerativas, infecciosas, neoplásicas, autoimunes, inflamatórias, metabólicas, entre outras.

Podem dividir-se em:

  • Doenças reumáticas crónicas imunomediadas de que são exemplos a artrite reuma­tóide, as espondilartrites, as artrites idiopáticas infantis, a polimialgia reumática, as vasculites, o lúpus eritematoso sistémico e outras patologias difusas do tecido con­juntivo (como a esclerose sistémica, a síndrome de Sjogren, a dermatomiosite, etc.)
  • Do­enças reumáticas não imunomediadas, grupo em que se incluem, a título exemplificativo, a fibromialgia, a gota, as tendinites, a osteoporose e a osteoartrose.

As doenças reumáticas são crónicas, portanto a sua prevalência aumenta com o envelhecimento da população, estimando-se que cerca de metade da população portuguesa sofre de pelo menos uma doença reumática.

 

SINTOMAS

Regra geral os sintomas variam não só de doença para doença, mas também de pessoa para pessoa. Por exemplo nas

Artrite Reumatóide os sintomas são:

  • dor nas articulações, que pode ser acompanhada por edema ou inchaço, calor e vermelhidão das articulações
  • sensação de rigidez matinal (sentir-se enferrujado ou perro de manhã) que dura mais de 30 minutos
  • sensação de cansaço que pode ser limitante da actividade da pessoa

Esclerose Sistémica os sintomas são:

  • palidez marcada em certas zonas do corpo geralmente extremidades e face, a qual pode ser seguida por outras alterações na coloração da pele dessas zonas (vermelhidão, pele azulada)
  • inchaços nas mãos e pés

Osteoporose é uma doença cujo primeiro sinal ou sintoma é uma fractura que se verifica após um traumatismo mínimo ou até na ausência de traumatismo. As fracturas mais frequentes são as das vértebras, do colo do fémur e do punho.

TRATAMENTO

Também os tratamentos variam de doença para doença.

Nas artrites o objectivo do tratamento é reduzir a dor e a inflamação, atrasar ou parar o envolvimento e a lesão das articulações e, por fim, melhorar a sensação de bem-estar e manter a pessoa activa e válida para a sociedade, o que é f

eito nomeadamente através de medicação anti-inflamatória e analgésica.

Para a Esclerose Sistémica, não existe nenhum tratamento global. Existem sim diversos meios terapêuticos entre os quais:

  • fisioterapia
  • medicamentos sintomáticos
  • medicamentos que actuam no sistema imunológico
  • anti-hipertensores
  • medicamentos que estimulem a dilatação dos vasos sanguíneos

Na osteoporose, recorre-se a medicamentos que actuem em diferentes mecanismos do metabolismo ósseo, inibindo a reabsorção/perda ósseas, ou que estimulem a formação óssea e ainda outros que, eventualmente, actuem sobre ambos os mecanismos. Estes medicamentos são também co-adjuvados pela utilização de cálcio e vitamina D, através de dieta ou de suplementos.

Na MyNurse pode encontrar fisioterapeutas, enfermeiros e auxiliares que o podem ajudar a lidar e a atenuar os efeitos das doenças reumáticas, sem sair de casa.

 

Esclerose Múltipla

O QUE É A ESCLEROSE MÚLTIPLA?

Doença crónica, inflamatória, desmielinizante e degenerativa que afecta o Sistema Nervoso Central (SNC).  Surge frequentemente entre os 20 e os 40 anos de idade, ou seja, entre os jovens adultos. Afecta com maior incidência as mulheres do que os homens. É uma doença auto-imune, na qual o sistema imunitário não tem capacidade de diferenciar as células do seu próprio corpo de células estranhas a ele, acabando assim por destruir os seus próprios tecidos, nomeadamente a mielina, que é uma camada de gordura protectora das fibras nervosas, que tem por função auxiliar a transmissão de informação ao longo do corpo humano.

Há 3 tipos de esclerose múltipla:

  • Esclerose Múltipla Recidivante Remitente (EMRR) que é a forma mais comum, em que os indivíduos apresentam surtos e voltam ao seu estado normal. Durante os surtos os sintomas desenvolvem-se nos primeiros dias, permanecem constantes durante algum tempo e acabam por cessar ao fim de cerca de um mês.
  • Esclerose Múltipla Secundária Progressiva (EMSP), que pode desenvolver-se por um período de 10 a 15 anos. Vai-se dando um acréscimo progressivo e constante da incapacidade e dos sintomas cuja recuperação após os surtos não é total.
  • Esclerose Múltipla Primária Progressiva (EMPP), que aparece mais tarde (regra geral depois dos 40 anos). Esta forma não tem surtos. O que há é um agravamento dos sintomas de forma constante desde o inicio, e um aumento gradual da incapacidade.

SINTOMAS DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

Os sintomas associados à Esclerose Múltipla não são constantes nem quanto à sua frequência, nem gravidade, variando de acordo com o local lesado no Sistema Nervoso Central. Os principais sintomas são:

  • Parestesias (alterações da sensibilidade);
  • Alterações visuais, nomeadamente a neurite óptica, que é uma inflamação do nervo óptico;
  • Alterações de equilíbrio e coordenação motora;
  • Disartria (alterações da fala e da articulação verbal);
  • Alterações motoras e espasticidade;
  • Alterações urinárias;
  • Fadiga;
  • Alterações psicológicas e cognitivas.

TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

Apesar da Esclerose Múltipla não ter cura, já existem tratamentos com medicamentos que podem ser divididos em três grandes grupos:

  • Medicamentos que alteram o curso da doença, dado que reduzem a actividade das células do sistema imunitário, responsáveis pelo ataque que o corpo faz ao sistema imunitário, e ao sistema nervoso central, atenuando os efeitos dos processos imunológicos danificados.
  • Medicamentos que tratam os surtos agudos aliviando os sintomas.
  • Medicamentos que tratam sintomas específicos.

Há vários tipos de tratamentos:

  • Tratamento com medicamentos imunomodeladores;
  • Tratamento com medicamentos imunossupressores;
  • Tratamento com corticosteróides;
  • Tratamento sintomático;
  • Tratamento de espasticidade;
  • Tratamento da ataxia ou falta de coordenação;
  • Tratamento da fadiga devida à Esclerose Múltipla;
  • Tratamento da depressão;
  • Tratamento das alterações urinárias.

NECESSIDADES ESPECÍFICAS

Numa fase de maior incapacidade poderá ser necessário recorrer à ajuda de profissionais qualificados, como cuidadores, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas. Um plano paliativo pode melhorar substancialmente a qualidade de vida do doente, de forma a minimizar o impacto da doença no seu dia-a-dia e evitar maiores descompensações ou descompensações acentuadas e inesperadas. Para os vários tipos de ajuda, consulte www.mynurse.pt, ou peça informações adicionais através de geral@mynurse.pt, ou pelo 911 032 296. A primeira consulta médica é gratuita.

Doenças Respiratórias Crónicas

O que são?

As doenças respiratórias crónicas são doenças crónicas das vias respiratórias e de outras estruturas dos pulmões. As principais doenças respiratórias crónicas incluem a asma e as alergias respiratórias, a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), doenças pulmonares ocupacionais, síndrome de apneia do sono e hipertensão pulmonar.

Sintomas: Hemorragia das vias respiratória, tosse, anomalias da respiração, Dispneia, Pieira, Hiperventilação, Espirro, Odinofagia e dor torácica, Asfixia, Pleurisia, Paragem respiratória (falência cardiorrespiratória), Expectoração anormal. Todos estes sintomas podem limitar a capacidade da pessoa para realizar as actividades diárias normais

Principais formas de tratamento:
1. Ajudas técnicas – nebulizadores, espirómetros, etc.
2. Fisioterapia respiratória.
3. Medicação

Como pode a MyNurse ajudar?
A MyNurse dispõe de profissionais especializados habilitados para ajudar com as formas de tratamento e alívio dos sintomas próprios das doenças respiratórias crónicas: fisioterapeutas e enfermeiros ao domicílio evitam deslocações e interacção com meios clínicos e hospitalares onde as infecções hospitalares representam um perigo acrescido para os doentes em causa.

 

Contacte-nos pelo telefone 911 032 ou clique em MyNurse e faça o seu pedido online.

Terceira Idade com Saúde- Fisioterapia Preventiva

Na terceira idade, naturalmente, ossos, tendões e músculos tendem a ficar mais frágeis; alterações da sensibilidade, do equilíbrio, do controle sobre os movimentos e do desempenho em atividades diárias básicas como alimentar-se e vestir-se, também são comuns. Estas alterações ocorrem porque o idoso está mais vulnerável físico-funcionalmente, pelo que o estímulo à prevenção de patologias e deficiências, tanto de ordem física quanto psíquica é de extrema importância nesta fase.

Vários estudos têm demonstrado que os indivíduos fisicamente ativos apresentam uma menor deterioração da aptidão física e uma menor incidência das doenças típicas (hipertensão arterial, doenças cardíacas, osteoporose, etc.), na terceira idade.

É neste contexto que a fisioterapia se torna um grande aliado para a saúde do idoso. A atuação do Fisioterapeuta pode ser necessária em qualquer fase da vida, porém na Terceira Idade tem uma importância maior, não só de tratamento, mas também, e principalmente, de prevenção.

Fisioterapia Preventiva

Numa ótica preventiva, a Fisioterapia promove uma melhoria da postura e preservação das articulações, melhoria da 3a-idade_4coordenação e concentração; aumento do relaxamento muscular e redução de tensões; melhoria da autoestima, etc. Ensina o idoso a evitar posturas viciosas, que dificultam as atividades diárias, ocasionando encurtamentos musculares e dores.

A Fisioterapia Preventiva engloba técnicas de fortalecimento da musculatura enfraquecida e de alongamentos globais, diferentes exercícios físicos e respiratórios e várias outras abordagens terapêuticas, que se adaptam às necessidades individuais de cada individuo, bem como aos limites de cada um, podendo associar outras terapias alternativas como o Pilates.

3a-idade_3O Pilates Clínico para a terceira idade promove uma maior qualidade de vida, pois é um trabalho aplicado com uma grande margem de segurança e de baixo impacto, além disso, respeita os limites de cada um, através de exercícios suaves e controlados. Por estas razões, os indivíduos idosos podem beneficiar dos efeitos do Pilates Clínico quer preventivamente, quanto no pós-tratamento médico ou fisioterapêutico.

Fisioterapia Interventiva

Numa ótica de tratamento, a Fisioterapia utiliza técnicas e procedimentos que ajudam no controle dos sintomas de 3a-idade_7doenças. Algumas patologias comuns em idosos, como a cervicalgia (dor na região cervical) e a lombalgia (dor na região lombar) afetam 45% dos pacientes acima de 65 anos. Para esses pacientes, a fisioterapia tem um importante papel no tratamento analgésico e anti-inflamatório, favorecendo assim, o menor uso de medicamentos e diminuindo as crises agudas dessas patologias.

 

Resumindo, a Fisioterapia…

…ajuda a prevenir doenças comuns na terceira idade, como a diabetes, hipertensão arterial, doenças cardíacas, osteoporose, hérnias de disco, tendinites, bursites, artrose, etc.

…atua no controle de dores nas articulações e em problemas de insónia, depressão ou ansiedade, etc.

…promove o envelhecimento com qualidade de vida, o aumento da força muscular, a melhoria da capacidade de locomoção e equilíbrio, bem como a coordenação dessas funções.

…garante a independência e o conforto na realização das atividades da vida diárias.

3a-idade_2

“Fisioterapia Preventiva para um envelhecimento saudável e com saúde”

Sabe como a Fisioterapia respiratória pode ajudar o seu bebé?

Com a chegada do tempo frio chegam também as constipações, as bronquiolites, a tosse e os narizes congestionados que, nas crianças, pode significar um problema acrescido. Isto porque os bebés e crianças são mais suscetíveis que os adultos a desenvolverem patologias respiratórias, devido às suas características estruturais e funcionais que dificultam a eliminação das secreções que se podem acumular na garganta e pulmões.

Dependendo da condição clínica, as mucosidades podem iniciar-se no nariz, descendo pela garganta até aos pulmões ou, serem produzidas diretamente pelos pulmões. Esta mucosidade estagna nos pulmões e, se não tratada, pode levar a infeções respiratórias e ao uso subsequente de antibióticos ou até dificuldade respiratória.

Para pais que não estão habituados a este tipo de situação, pode ser um pouco assustador, especialmente se o bebé perder o apetite e o padrão de sono alterar.

Felizmente, a fisioterapia respiratória pode ajudar a aliviar este desconforto!

Também conhecida como ginástica, cinesioterapia ou massagem respiratória, a Fisioterapia respiratória pediátrica está indicada para o tratamento de problemas respiratórios de recém-nascidos, bebés e crianças.

A Fisioterapia Respiratória Pediátrica consiste…

num conjunto de técnicas terapêuticas manuais que ft-resp-ped-9visam a recuperação da função respiratória do bebé, através da drenagem de secreções. As manobras utilizadas têm como objectivo principal mobilizar e expulsar essas secreções, sendo os resultados praticamente imediatos.

O Objectivo da Fisioterapia Respiratória Pediátrica é…

limpar as vias aéreas superiores e os pulmões do bebé de qualquer mucosidade que possa restringir a respiração normal, os seus padrões de sono e de alimentação. Desta forma, evitam-se infeções e complicações broncopulmonares e, adicionalmente, consegue-se um bem-estar tanto psicológico como físico do bebé (e dos pais).

A sessão de Fisioterapia Respiratória Pediátrica começa…

com uma conversa com os pais para perceber melhor as alterações respiratórias do bebé e para lhes explicar o que vai acontecer durante a sessão. O Fisioterapeuta aproveita também este momento para proceder à auscultação e estabelecer relação com o bebé.

ft-resp-ped-1Alguns bebés podem sentir-se incomodados por estarem a ser tocados por um estranho e eventualmente começam a chorar mesmo antes da sessão começar. A vibração que o choro provoca é transmitida às vias aéreas pulmonares mais profundas, o que ajuda à mobilização das secreções. Normalmente os Fisioterapeutas solicitam aos pais alguns brinquedos que podem ser utilizados para desviar a atenção do bebé para algo que lhe é mais prazeroso. Muitos outros bebés não necessitam de nenhuma técnica de distração e mostram-se até bem contentes com a novidade.

Cada bebé é um mundo e a sessão é adaptada a cada um deles, fazendo-se as pausas necessárias para que possam descansar e receber mimos dos papás.

A Fisioterapia Respiratória Pediátrica utiliza Técnicas…

de estimulação e relaxamento, que consistem na realização de uma série de manobras em que o Fisioterapeuta coloca as suas mãos no tórax e no abdómen do bebé, e mediante a aplicação de ligeiras pressões, aumentam o fluxo aéreo, mobilizando todas as secreções que se aft-resp-ped-4cumulam nos brônquios dos bebés. Desta forma, consegue-se que as mucosidades se soltem e se libertem através de tosses provocadas. A expetoração engolida vai para o estômago e não provoca um agravamento da situação clínica pois a acidez deste órgão mata as bactérias ou vírus.

Existem duas situações em que os pais poderão comprovar que as secreções engolidas acabarão por sair: Através de um cocó mais fluido ou com aspeto mucoso; O bebé/criança vomita as próprias secreções. Este processo é natural e assim deverá manter-se.

Estas técnicas adaptam-se à idade do bebé, sendo realizadas inclusivamente na idade neonatal.

O Fisioterapeuta terá sempre em conta a conversa com os pais sobre os sintomas dos bebés e a auscultação para seguir o seu estado, a evolução e os resultados.

ft-resp-ped-6Em nenhum momento o bebé sofre algum dano ou lesão, ainda que o normal e muitas vezes benéfico seja a presença do choro durante a sessão.

Indicações :

  • Bronquiolite
  • Prematuros
  • Bactérias
  • Infeções respiratórias prévias “mal curadas”
  • Reação à inspiração de ar frio
  • Otite
  • Nascimento de novos dentes
  • Asma, etc.

Contra-Indicações :

Existem situações pontuais em que a fisioterapia poderá não atuar, e em que os pais deverão contactar novamente o médico pediatra:

  • Bebé/criança que está com febre;
  • Bebé/criança é auscultado, verifica-se que as secreções estão muito secas e a tosse não é produtiva;
  • Bebé/criança é auscultado, verifica-se que tem secreções em quantidade reduzida e que ele sozinho é capaz de as remover.

A MyNurse preocupa-se com a saúde respiratória dos nossos bebés e encorajamo-lo a comprovar por si mesmo os benefícios da Fisioterapia Respiratória Pediátrica.