Month: February 2017

Na luta contra o envelhecimento: 3 boas pistas!

Estamos cada vez mais próximos de atrasar ou mesmo parar o relógio do nosso corpo. É uma busca de sempre e tentamos chegar cada vez mais perto!
Com o avançar dos anos, o nosso corpo fica mais sensível a doenças crónicas. Tradicionalmente via-se como causa de várias doenças crónicas, a idade. Um grupo de cientistas optou por uma nova abordagem, acreditando ser possível reverter o relógio biológico do nosso corpo, de forma a que muitas doenças nem cheguem a surgir. O ponto de partida foi: Se quisermos viver mais, temos muito a aprender com os centenários. Um estudo recente apresenta que em comum essas pessoas têm a idade e o facto de não terem tido determinadas doenças crónicas, situação que lhes permite viver, viver e viver.

Reverter o envelhecimento pode oferecer enormes benefícios para toda a população e presentemente temos bons indicadores de estarmos no caminho certo.
Vários são os estudiosos que seguem pistas diferentes com esse mesmo fim:
Na Universidade de Stanford, conseguiram comprovar em laboratório que após ligarem a corrente sanguínea de um agente mais idoso a um mais jovem, as células estaminais, que são responsáveis pela renovação de células, fizeram com que a renovação de células ficasse novamente mais eficiente. Em Harvard, por outro lado, identificaram uma proteína presente no sangue (GDF11) que acelera o rejuvenescimento.
Outra abordagem sugere a acção de medicamentos e suplementos nutricionais. No País de Gales um grupo de cientistas concluiram que um medicamento de Metformina interfere no processo normal de envelhecimento chamado Glicação – onde a glicose combinada com algumas proteínas e moléculas ganham novas forças nos seus trabalhos.
A farmacêutica Novartis provou com a medicação de Everolimus melhorar a efectividade da vacina contra a gripe. O sistema imunitário recebe um reforço e apresenta maior concentração anti-corpos na corrente sanguínea, o que  prova que o sistema imunitário rejuvenesceu com sucesso.
Ainda um ultimo estudo a termos em atenção envolve dieta, os nossos hábitos alimentares. Sabemos já que diminuir o consumo de calorias ajuda a alcançarmos maior longevidade. Valter Longo, director do Longevity Institute at the University of Southern California, demonstrou que consegue aumentar a longevidade dos ratos apenas por limitar a quantidade de alimentos ou limitando a quantidade de proteína ingerida. No entanto, continua por provar a relação entre essa prática e o aumento de longevidade no ser humano.

Ainda há muito caminho para percorrer, mas estas novas pistas que vão surgindo mantêm a esperança dos cientistas de que soluções mais concretas de aumento de longevidade estão para ser descobertas em breve.

O sono e os telemóveis

Crianças e adolescentes com acesso a smartphones, tablets e dispositivos móveis semelhantes, dormem menos e andam mais sonolentos durante o dia, querem usem ou não os dispositivos, de acordo com um novo estudo.

Muitas pessoas argumentavam que era a emissão de luzes que gerava estes resultados em pessoas que tinham usado os dispositivos móveis perto da hora de dormir, mas mesmo não usando os dispositivos, só tendo os dispositivos por perto, podsonomynursee conduzir as mesmos resultados, afectando o nosso sono – conta o Prof. Carter do King’s College de Londres à Reuters Health.

“Do meu ponto de vista, deve-se à continua estimulação provocada provocada por coisas como a participação em redes sociais” e pode haver a mesma relação com adultos, conta Carter. “O grupo em que a pessoa participa continua activo, e a pessoa não consegue deixar de pensar no assunto. Por exemplo, se envio uma mensagem a alguém querido ou de que gosto uma hora antes de me deitar, estou à espera que me respondam.”

Os estudos incluíram crianças dos 6 aos 19 anos, medindo a exposição a smartphones e tablets, mas excluíam a exposição a televisões, computadores ou fontes de radiação electromagnética. No total, os estudos avaliaram cerca de 125.000 crianças. O uso de dispositivos deste tipo à hora de deitar está consistentemente relacionado com distúrbios do sono.

É normal acordar durante a noite, mas quando o telemóvel está ali, muitas pessoas, em vez de se virarem para o outro lado, vão acabar por pegar no telemóvel nem que seja só para ver as horas e acabam por ver notificações e mensagens, e só depois voltam a dormir ou a tentar dormir.insoniamynurse

Dois terços dos adolescentes dorme com o telefone na cama, ligado, e apenas desligá-lo ou colocá-lo noutra divisão da casa, pode fazer uma diferença significativa na qualidade e quantidade do sono.

O uso do telemóvel pode ter muitos benefícios para a nossa vida do dia-a-dia, mas também devemos reconhecer que há algumas consequências negativas. Alguns dispositivos podem ser programados para desligar a determinadas horas, o que se recomenda, ou podemos estabelecer regras e optar por deixar os dispositivos em divisões da casa onde não dormimos.

insoniatelemóvelmynurseUm sono pobre ou com interrupções constantes tem sido relacionado com o desenvolvimento de problemas de saúde como a demência, diz o Prof. Carter, sendo que o sono é subvalorizado e tomado como garantido pela maior parte das pessoas, faz toda a diferença na nossa vida e no nosso dia-a-dia.

 

Fonte: Reuters Health

 

 

Aprender a sentir-se bem: Trabalhar bem e a nossa saúde

Por vezes damos pouca atenção à importância do nosso bem estar como ferramenta para atingir metas profissionais.

Grande parte das dificuldades que encontramos no trabalho são provocadas não só pelo chefe, mas dorcronicamynursetambém por doenças comuns ou temas a que optamos muitas vezes por não lhes dar a devida importância e passamos a viver com eles de forma crónica, tomando-os por normais.

Um estudo recente realizado em toda a Europa apresenta a dor crónica como a causa que mais incapacita a melhor performance no local de trabalho. O estudo destaca ainda outras condições sensíveis como enxaquecas, insónia, depressão, ansiedade, artrite, doenças cardiovasculares e respiratórias.

dorcrónicaDevemos consultar os profissionais de saúde, agir preventivamente e não considerar o mal estar uma situação normal.

Se tem dor crónica, insónias recorrentes, sintomas de ansiedade, procure ajuda!

Mais saúde, melhor trabalho, mais vida!